Torabit/Blog

Como dar relevância para a velha e boa nuvem de tags

A nuvem de tags existe há um bom tempo. Teve seu “boom” no começo do ano 2000, acompanhando os blogs que se popularizavam. Até seu avô já deve ter visto uma nuvem dessas. Isso quer dizer que ela é popular. E ser popular é bom.

Quando se trabalha com dados é impossível não cair na tentação de querer todo dia um gráfico novo. Algo mirabolante, que vá encher os olhos do cliente de felicidade. Vou te contar um segredo: não precisa! Encher os olhos dos clientes precisa. Não precisa é criar a roda todo dia.

Sim, temos o dever de apresentar dados da forma mais atrativa possível, mas também da forma mais fácil. Se meu avô entende a nuvem, se meu irmão de seis anos entende, por que eu vou transformá-la em um monte de bolinhas azul banana que pulam quando eu mexo nelas?

Foi pensando nisso que investimos tempo para deixar a nuvem mais legal e com mais sentido para o usuário. Com o Torabit, além de filtros e formatações mil, você pode sentimentar, excluir termos que não são tão relevantes e criar sub-universos para cada palavra, a cada clique, gerando maior contextualização com cada termo sem perder a sua essência. E sem perder tempo.

Tudo isso faz com que as equipes consigam ter insights com mais agilidade e possam trabalhar em dados complementares às informações obtidas com a nuvem de tags primária.

Com o uso inteligente e contínuo deste tipo de apresentação gráfica, você facilita a comunicação entre pessoas que possuem diferentes níveis de conhecimento em visualização de dados – já que todos possuem familiaridade com a leitura da nuvem. Bom, né?

SÓ PRA LEMBRAR: o conceito de nuvem de tags é simples: quanto maior o termo na nuvem maior frequência daquela palavra e, por consequência, mais relevância dentro de um determinado universo – esteja esse universo dentro de um site, uma busca na internet ou de um query de monitoramento em uma ferramenta.

Não subestime o poder da nuvem de tags no seu planejamento e em seus relatórios 😉

Ao vencedor, as batatas

As marcas e a Black Friday de 2017 monitoradas pelo Torabit

Apesar de não participarem do site oficial da Black Friday no Brasil, Burger King e Mc Donald’s foram as marcas mais citadas nos posts das redes sociais do que as marcas “oficiais” do evento.

Entre os dias 10 e 24 de novembro, o grande dia, a marca campeã de citações foi a do Burger King, em segundo lugar veio a do Mc Donald’s, em terceiro a da Americanas (oficial), em quarto a do Subway e em quinto a da Saraiva.

A maioria esmagadora das menções, mais de 90%, no entanto, não citava marcas, referia-se ao evento de forma genérica, fazia piadas, lamentava não ter dinheiro ou afirmava que no Brasil o evento é uma fraude.

Ao todo, o Torabit analisou 559.553 menções no período nas redes Twitter, Instagram, Facebook, Google Plus e YouTube, além de sites e blogs. Em relação ao sentimento, as marcas de alimentação também se saíram muito bem. Com 65% e 53% de menções positivas, respectivamente Burger King e Mc Donald’s fecharam a sexta-feira à frente da Americanas, que teve apenas 16% de menções positivas. A maioria, nos três casos, foi de menções neutras.

Uma vez que as marcas de alimentação foram as campeãs de citações, a categoria Livros ficou em segundo lugar com 16% das menções seguido por Telefonia (13%), Moda (8%) e Viagens (5%). Ou seja, o brasileiro que está presente na redes sociais usou a Black Friday primeiro para se alimentar e depois para se instruir, se vestir e programar viagens.

O monitoramento do Torabit também mostra que as mulheres, 60,6%, estão em franca maioria nos comentários sobre o evento. Talvez por conta da situação crítica das suas finanças, o Rio de Janeiro, com 32,6% das menções, é o Estado campeão em citações, seguido por São Paulo (20%) e Minas Gerais (8,7%). Representantes de todos os 26 Estados brasileiros, além do Distrito Federal, participaram ativamente do evento nas
redes sociais.

A expressão “blackfriday” também constou dos Trend Topics do Twitter durante várias horas do dia 24, esteve no topo das palavras mais lidas no sites monitorados pelo IVC e as várias marcas citadas pelo público conectado foram as mais buscadas no Google. Um exame do “trending” dos assuntos e marcas referentes ao evento, conforme gráfico produzido pelo Torabit, mostra como as menções à Black Friday começam a crescer de forma exponencial no dia 20 e chegam ao ápice no dia 24, com mais de um terço das menções no período de duas semanas.

Ranking Torabit de veículos volta em 2018

O índice mensal Torabit de engajamento de veículos de comunicação nas redes sociais volta no ano que vem. A empresa, que passa por reformulações nas suas áreas de tecnologia e de conteúdo, para fazer face ao crescimento acelerado, planeja criar outros índices, além de reformular os existentes.

O ranking de veículos deverá voltar mais abrangente, reformulado nas segmentações possíveis para dar conta dos diferentes veículos no mundo das notícias, tanto os digitais tradicionais quanto aqueles cem por cento digitais.

A taxa de engajamento refletida no ranking mede diariamente quanto os seguidores aproveitam e se engajam com os seus conteúdos.

Para mais informações, envie e-mail para contato@torabit.com

Estadão retoma a ponta; Zero Hora muda o perfil

O Estadão retomou a liderança do ranking de engajamento nas redes sociais no mês de setembro. Com taxa média diária de 3,31%, deixou o Zero Hora (agora rebatizado de GauchaZH) em segundo lugar, com 2,83%. O Globo fechou o pódio, em terceiro, com 1,91% na taxa média que apura o acontecido no Facebook, no Twitter e no Instagram.

A novidade no mês ficou por conta da mudança de nome nos perfis do Zero Hora, que virou GauchaZH. Por conta dessa união entre o antigo ZH e a radio Gaúcha, a sua base de fãs no Facebook saltou 15% no mês enquanto o crescimento médio das bases dos demais veículos foi de 0,4%. Zero Hora, portanto, fechou o mês de setembro com um total de 2.592.664 fãs contra 2.248.067 em agosto.

Outro movimento atípico no mês foi a queda do UOL do terceiro para o sétimo lugar. O portal fechou setembro com taxa média de 1,35% .

No geral, o veículo que mais cresceu a sua taxa média de engajamento foi a Veja, com resultado 32% maior do que em agosto. O R7 e a Época também tiveram crescimento expressivo; ambos em torno de 22% de crescimento.

Em relação a cada rede, as maiores taxas de engajamento são as seguintes: no Facebook o Estadão se saiu melhor (2,79% de engajamento). No Twitter, o UOL segue na liderança com taxa de 0,40%. No Instagram, o Estadão está na frente com taxa de 6,88%.

Em quantidade de seguidores nas plataformas, o R7 continua líder absoluto com 13,3 milhões de fãs no Facebook, seguido pelo UOL com 8 milhões.

No Twitter, a liderança é da Veja, com mais de 8 milhões de seguidores, seguida pela Folha, com 6 milhões.

No Instagram, o líder também é o R7, com 1,9 milhão de seguidores, acompanhado em segundo lugar por O Globo, com 834 mil seguidores.

Dossiê suicídio – Comunica Que Muda

Do http://dossie.comunicaquemuda.com.br/suicidio/

Pouco se fala sobre o suicídio. Há tabus e mais tabus que impedem que ele seja abertamente discutido e, assim, melhor enfrentado tanto do ponto de vista social quanto individual. Um suicídio acontece no mundo a cada 40 segundos. São quase 800 mil vítimas por ano. Para cada caso, são pelo menos outras 20 tentativas. Ou seja, quase 20 milhões de pessoas podem não conseguir se matar, mas tentam. E, talvez, o número mais impactante: de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 90% dos suicídios poderiam ser evitados.

Produzido pela agência nova/sb com o Comunica Que Muda nos meses de abril e maio de 2017, o monitoramento, realizado via plataforma Torabit, é um levantamento completo sobre como o assunto é abordado na internet, buscando entender como isso pode influenciar na questão do suicídio. Foram capturadas 1.230.197 menções nas redes.

BAIXE O DOSSIÊ COMPLETO

 

Maioria dos veículos de mídia online perde engajamento em agosto

Oito entre os doze veículos online analisados em agosto de 2017 tiveram queda na taxa média diária de engajamento nas redes sociais. Dois deles mantiveram a mesma taxa: Estadão e IstoÉ. Somente dois conseguiram aumentar sua taxa: o Valor Econômico, que cresceu 17,65%, e o portal Terra, que ganhou 5,13% na taxa. Na parte das quedas, o campeão foi o UOL: perdeu 15,3%, seguido por Veja, com queda de 14,19%.

O gaúcho Zero Hora manteve a liderança na taxa média de engajamento diário nas redes sociais, com marca de 3,37%, quase um por cento abaixo da taxa conseguida no mês anterior.

O Estadão, com 3,05%, a mesma taxa do mês anterior, manteve-se estável tanto em segundo lugar quanto na taxa média, a mesma de julho.O terceiro lugar continua com o UOL, na base de 2,17% de taxa média.

Em relação a cada rede, as maiores taxas de engajamento são as seguintes: no Facebook o UOL continua engajando mais, com 4,84% de taxa. No Twitter, o UOL também lidera, com taxa de 0,44%. No Instagram é o Zero Hora, com 7,78%.Como de praxe, tem sido o bom desempenho no Instagram que mantém o Zero Hora em primeiro lugar, com taxa média de 8,10% em agosto.

Em quantidade de seguidores nas plataformas, o R7 continua líder absoluto com 13,2 milhões de fãs no Facebook, seguido pelo UOL com 7,8 milhões. No Twitter, a liderança é da Veja, com mais de 7,9 milhões de seguidores, seguida pela Folha, com mais de 5,9 milhões.

No Instagram, o líder também é o R7, com 1,8 milhão de seguidores, acompanhado em segundo lugar por O Globo, com quase 820 mil seguidores.

Outro dado a notar em agosto é o do crescimento do UOL no Facebook. Foi quem mais cresceu na plataforma em número absoluto (+77.127 mil fãs) e também em número percentual (quase 1%).

Zero Hora garante liderança, UOL retoma o terceiro lugar

O gaúcho Zero Hora segue na frente dos seus concorrentes na taxa média de engajamento diário nas redes sociais em julho de 2017, com marca de 3,40%. O Estadão, com 3,05%, manteve-se em segundo lugar. Uma mudança importante, no entanto, veio na disputa pelo terceiro lugar. O UOL abriu o ano em terceiro, mas perdeu o posto para a Exame em fevereiro e, agora em julho, retomou o terceiro posto com taxa média diária de engajamento de 2,56%. A Exame ficou em quarto lugar, com 1,96% na taxa média.

Outra movimentação se deu no quinto lugar, assumido por O Globo (1,75% na
taxa média) ao ultrapassar a Folha (1,68% na taxa média). Entre os doze veículos pesquisados pelo Torabit, foi o UOL quem mais fez crescer a sua taxa de engajamento, com ganho de 24,27% de junho para julho.

Na outra ponta, quem mais perdeu tração na taxa de engajamento foi a Época, com queda de 22,41% na taxa média em um único mês. Em relação a cada rede, as maiores taxas de engajamento são as seguintes: no Facebook quem mais engaja é o UOL, com 5,76% de taxa. No Twitter, o UOL repete a façanha, com taxa de 0,51%. No Instagram é o Zero Hora, com 7,78%. Como costuma acontecer, tem sido o bom desempenho no Instagram que manteve o Zero Hora em primeiro lugar, com taxa média de 7,73%.

Em quantidade de seguidores nas plataformas, o R7 continua líder absoluto com 13,2 milhões de fãs no Facebook, seguido pelo UOL com 7,8 milhões.

No Twitter, a liderança é da Veja, com quase 7,9 milhões de seguidores, seguida pela Folha, com 5,9 milhões.

No Instagram, o líder também é o R7, com 1,8 milhão de seguidores, acompanhado em segundo lugar, de longe, por O Globo, com 802 mil seguidores.

Dia da pizza

No dia 10 de julho é comemorado o famoso e gostoso dia da pizza aqui no Brasil. E o Torabit embarcou nessa para ver o que os usuários das redes sociais falaram durante a data comemorativa (!). Foram analisadas quase 50 mil menções sobre o assunto em um dia, o dia 10.

A nuvem mostra as palavras que tiverem mais frequência sobre o assunto. Quanto maior o tamanho, mais vezes ela apareceu nas menções.

Os cariocas que não são lá muito famosos por suas pizzas foram os que mais entraram na brincadeira: 32% das menções sobre pizza no #DiaDaPizza vieram do Rio, seguidos por 18.7% de SP, 6.9% de Minas e 5.4% de RS.

 

As mulheres foram a maioria nas postagens: 59% contra 40% de postagens masculinas.

Os picos das postagens se deram na hora do almoço e na hora do jantar.

Os perfis que mais alcançaram as pessoas em suas postagens  sobre o assunto foram:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os tuítes com mais engajamento foram o da receita da Ana Maria Braga impulsionado pelo retuíte da Anitta, o da Netflix Brasil (pizza e maratona hummm) e do usuário  @trevezzani com sua verdadeira homenagem à pizza!

E, para terminar, a foto ostentação que o @trevezzani postou no Twitter e que resume o #DiaDaPizza

Zero Hora segue na frente; mas só O Globo e Revista Época conseguem melhorar o engajamento

O Zero Hora mantêm-se à frente dos seus onze concorrentes na taxa média de engajamento nas redes sociais em junho de 2017, com marca de 3,32%. No entanto, dos doze veículos pesquisados pelo Torabit, somente dois deles conseguiram melhorar a taxa de engajamento em relação ao mês anterior, O Globo (taxa de 1,76% e crescimento de 6%) e a revista Época (taxa de 0,58% e crescimento de 7,4%).

O Estadão continua em segundo lugar com 2,97% de taxa média, mas teve uma queda de 8% de um mês para o outro. IstoÉ e Valor foram os que mais viram cair os pontos na taxa media e perderam, respectivamente 40,6% e 50%.

Em quantidade de seguidores nas plataformas, o R7 continua líder com 13,2 milhões de fãs no Facebook seguido pelo UOL, com quase 7,7 milhões. No Twitter a liderança é da Veja, com quase 7,9 milhões de seguidores, seguida pela Folha, com 5,8 milhões.

No Instagram, o líder também é o R7, com 1,8 milhão de seguidores, acompanhado em segundo lugar, de longe, por O Globo, com quase 790 mil seguidores.

Como de hábito, tem sido o bom desempenho no Instagram que manteve tanto o Zero Hora quanto o Estadão nos dois primeiros lugares. A taxa média diária do gaúcho nesta rede foi de 7,73% e do Estadão de 6,35%.

Em relação a cada rede, as maiores taxas de engajamento são as seguintes: no Facebook quem mais engaja é a Revista Exame, com 4,68% de taxa. No Twitter é o UOL, com 0,55%, e no Instagram é o Zero Hora, com 7,73%.

O impeachment volta às redes sociais.

O  Torabit analisou 551.647 menções que continham o termo “impeachment” nas redes sociais durante o mês de maio. Destas, 63,9% são negativas para o governo federal, ou seja, pedem a saída do presidente Michel Temer. 29.7% são neutras, falam em sua maioria de outros pedidos de impeachment, como o do governador do Rio, Pezão, ou de Gilmar Mendes. Apenas 6.4% foram menções positivas, onde havia concordância de que não haveria provas ou justificativas para o afastamento de Temer.

Os cinco estados que mais postaram sobre o termo foram: SP com 22.7%, RJ com 20.9%, MG com 8.7%, DF com 5.4% e RS com 5.1%.

Os dias em que a palavra “impeachment” mais apareceu nas redes foram: Dia 21 com 13,3% das postagens, dia 18 com 9,8%, dia 28 com 7.7% e dia 29 com 7%.

Os picos de menções nas redes se deram entre 18h e 22h e este intervalo sugere o uso da segunda tela durante o acompanhamento dos telejornais.

As mais de 550 mil menções analisadas foram feitas por 202.396 autores únicos. Deles, o TOP cinco de maior alcance foram dos seguintes usuários: @g1, @Pitty, @VEJA, @felipeneto e @rodrigovesgo

As palavras que tiveram maior frequência junto ao tema no período foram “Temer” e “Diretas”, conforme mostra a nuvem abaixo. O tamanho da palavra é proporcional à sua frequência.

Durante o mês, nas redes sociais, houve um sobe e desce de seguidores dos possíveis presidenciáveis.

No Facebook, Aécio Neves, o então político líder de fãs da plataforma, perdeu 74.201 seguidores e está sendo ultrapassado por Bolsonaro, quem mais cresceu, incorporando 142.832 novos fãs no mês. Aécio fechou o mês com 4.290.119 seguidores e Bolsonaro com 4.279.212.

Apesar do crescimento, quando analisado o engajamento negativo ou positivo dos fãs no Facebook perante o conteúdo ofertado por cada página, Bolsonaro é o campeão em reações negativas (Grrr e Triste) e João Dória o campeão em positivas (Amei e Uau).

Veja todos os gráficos aqui.

A gente encontra o que você precisa.

Contrate já!