A equipe da plataforma de monitoramento digital Torabit monitorou 4,8 milhões de menções sobre o tema vacina nas redes sociais para entender o pensamento do brasileiro em relação à aplicação de imunizantes contra a Covid-19. 

A coleta dos dados foi realizada nas quatro principais plataformas sociais: Facebook, Twitter, YouTube e Instagram. A metodologia do estudo pode ser lida no fim deste relatório.

Insights gerais

– Como base de pesquisa para o monitoramento, foram coletadas 4.875.233 menções sobre o tema vacina do período do dia 5 de janeiro a 6 de abril. Como amostragem, classificamos 5.529 menções, que são a base de dados para a presente pesquisa.

– De forma geral, 74% de todas as menções classificadas são favoráveis à vacina e ao plano de vacinação, independentemente do posicionamento ideológico ou político.

– Destaca-se no monitoramento um número significativo (20%) de descrentes e duvidosos em relação à vacina. Há um grupo de pessoas que não acredita na eficácia do imunizante (11%) e outro que está em dúvida sobre sua eficácia (9%).

– Das 2.416 notícias analisadas, constatou-se que 80% são de fontes confiáveis e 20% são fake news ou notícias dúbias. O número de fake news pode estar relacionado ao cenário de dúvida ou descrença.

– No universo que corresponde somente às publicações cotidianas, classificamos comentários sobre o dia-a-dia da vacina. Constatou-se que 52% das menções dizem respeito a relatos de vacinação, de pessoas que tomaram a vacina ou relataram sua aplicação. 29% das menções tratam de problemas, como atraso ou problemas em postos de saúde. 17% falam de morte. 3% giram em torno de pessoas que se recuperaram com a vacina.

– No cenário de polarização política, analisando menções que correspondem ao presidente, constatou-se que 60% fazem oposição ao governo, enquanto 40% apoiam Bolsonaro.

– Dentre aqueles que acreditam na eficácia da vacina, 83% são contra Bolsonaro, e 17% acreditam no plano de imunização do governo federal.

– Quando o assunto é Doria, 71% de suas menções possuem relação com a CoronaVac, e 11% possuem relação com o Instituto Butantan. 

Nuvem de Termos

O tamanho do termo dentro da nuvem é proporcional à frequência dentro do universo vacina. A cor representa o sentimento.
  • No conjunto das 4,8 milhões de postagens analisadas, o sentimento mais presente é o neutro (40,9%). Isso deve-se ao grande número de compartilhamento de notícias sobre a vacina (34% do total de menções avaliadas)
  • O sentimento negativo (36,2%) é significativo por estar presente na polarização política, no debate sobre a eficácia da vacina e nos relatos de problemas. 
  • As menções positivas (22,9%) são representadas por notícias otimistas, relatos de vacinação e piadas bem humoradas.
  • Já a crença na eficácia da vacina (74%) é maior que a descrença (11%) e a dúvida (9%). 
  • Piadas (6%) aparecem na forma de brincadeiras e memes, podendo ter ou não conotação política.

Assuntos mais mencionados

Os outros assuntos não alcançaram mais de 100 menções (Moderna, Kit Covid, Fura-Fila da Vacina, Butanvac, Relato Recuperação, Sinovac, Covaxin, Novavax, CanSino)

Sentimento por dia

  • Como metodologia de pesquisa, classificaram-se as menções com base nos assuntos mais recorrentes sobre o universo da vacina na internet. Assim, foram separados os assuntos em quatro grandes blocos, sendo eles: vacinas, notícias, política e cotidiano.
  • O período de 17 a 20 de janeiro foi o período de maior engajamento nas redes sociais, devido ao início da campanha de vacinação da CoronaVac em todo o país.
  • No dia 26 de março, o governo de São Paulo antecipou a vacinação para idosos de 69 a 71 anos, o que explica o crescimento do número de menções no período.
  • São Paulo é a região que mais fez menções à vacina, com 27% do total, seguida por Rio de Janeiro, com 19%, e Minas Gerais, com 8%.
  • 60% das menções são feitas por homens. 40% são feitas por mulheres.
  • Os períodos da tarde e da noite são os de maior interação. Vale ressaltar que o tema possui pouco engajamento no período da manhã e perde força depois das 22h.

As Vacinas

As mais mencionadas nas redes sociais

Constatou-se que as vacinas mais mencionadas são: CoronaVac (47%), Oxford (19%) e Pfizer (14%), todas presentes no plano de imunização nacional do governo.

Abaixo separamos o índice de aceitação de cada vacina, analisando individualmente a credulidade, descrença e dúvida. 

CoronaVac

  • Analisando o universo amostral da vacina CoronaVac, constatou-se que 66% das pessoas acreditam em sua eficácia, enquanto 14% não acreditam e 12% possuem dúvida. A CoronaVac possui aceitação pouco menor que a média das vacinas.
  • O número de piadas com a vacina chinesa (8%) também é um pouco maior que a média.

AstraZeneca 

  • A Oxford AstraZeneca tem um índice de aceitação (82%)  maior que a média.
  • A quantidade de pessoas que não acreditam na vacina AstraZeneca (7%) e de pessoas que duvidam dela (6%) também é menor, assim como é menor o número de piadas (4%).
  • A AstraZeneca é a vacina negociada pelo governo Bolsonaro, motivo que talvez faça com que a vacina tenha aceitação pouco maior.
  • Há uma maior flutuação no índice de aceitação e rejeição das demais vacinas. De todo modo, o padrão se mantém, destacando maior crença em relação à vacina que descrença e dúvida.

Fake News e Notícias Confiáveis

As notícias representam 43% de todas as menções do monitoramento. Dentro do universo amostral de notícias analisadas, constatou-se que o número de notícias confiáveis (80%) é superior ao universo das chamadas fake news (20%). O cenário mostra uma cobertura massiva dos grandes veículos (tanto da velha como da nova mídia) sobre o assunto vacina. Vale ressaltar que 20% de notícias falsas é um número elevado, podendo favorecer o sentimento de dúvida ou de descrença dos usuários das redes sociais.

Foram consideradas fontes confiáveis as publicações com alguma tradição na mídia brasileira, seja offline ou online. Foram consideradas fake news as notícias que sofreram comprovação de falsidade pelas agências de checagem ou eram claramente mentirosas.

Internacional

O assunto “Acontecimentos Internacionais” traz menções relatando fatos no exterior, como fabricação de vacinas, acordos de importação, acordos diplomáticos, a pandemia no mundo e temas afins. São as menções que mais aparecem: 41%, presentes nos noticiários e em discussões políticas.

A “Repercussão das Notícias sobre o Brasil no Exterior” aparece com força nas notícias e é um assunto mencionado por pessoas que lamentam ou comentam a situação política do Brasil e a ligam à imagem do país. No monitoramento, verifica-se um número alto de pessoas que fazem menção à vacina chinesa ou à vachina, forma pejorativa de referir-se ao imunizante. 

Nota – O número total de menções sobre a vacina chinesa é de 326. Representa 24% das menções internacionais, mas representa também 6% do total de menções, um número significativo, que talvez explique uma das narrativas de rejeição da vacina.

Apoio e oposição ao Bolsonaro x vacina 

Muitos dos comentários sobre o universo da vacina tendem à discussão política. Neste tópico, foram separadas e classificadas somente menções de oposição ao Presidente (60%) e menções a favor do presidente (40%). Tanto a aceitação de Bolsonaro como a oposição a ele são altas e fazem com que o cenário se polarize em duas fortes correntes ideológicas. Nesse cenário de embate, as menções são voltadas para cada “bolha”. Conteúdos bolsonaristas compartilhados com apoiadores de Bolsonaro ou conteúdos de opositores de esquerda a Bolsonaro.

Apoio e oposição à vacina nos grupos polarizados 

Entre as pessoas que acreditam na vacina, há um percentual bem maior de opositores a Bolsonaro. Contudo, entre as pessoas duvidosas ou descrentes da vacina, o número de apoiadores de Bolsonaro é maior.

Das pessoas que acreditam na eficácia da  vacina, 83% são contra o presidente e 17% a favor, mostrando que há um grupo de apoiadores do presidente que acredita na vacina.

Relatos do Cotidiano

Vê-se que, entre os assuntos cotidianos sobre a vacina, as menções que mais aparecem são as de “Relatos de Vacinação” (˜52%), com comentários de pessoas que se vacinaram, fotos de parentes e amigos tomando a vacina ou notícias de famosos que também se imunizaram como forma de incentivo. 

Em “Relatos de Problemas” (˜29%), há menções sobre falta de vacina, desorganização em postos de vacinação, erro no cadastro ou problemas em geral.

Em “Relatos de Morte” (˜17%), foram captados posts de despedidas, relatos de morte em família, de celebridades ou de figura pública, além de comentários de pessoas que lamentam o número de mortes por Covid no Brasil.

Em “Relatos de Recuperação” (3%), o assunto é menos mencionado, porém mostra que um pequeno grupo da população comemora a recuperação e o sucesso da vacina nas redes sociais. 

Coronavac, Butantan e João Doria 

Número de menções por assunto (CoronaVac, Butantan, Doria)

O gráfico acima mostra a frequência dos assuntos em relação ao número total de menções. CoronaVac (39%) é o assunto mais comentado entre todos. Destacam-se também menções sobre o Butantan (11%) e sobre o governador de São Paulo, João Doria (9%), assuntos que podem estar correlacionados. 

Menções interseccionadas (Doria e CoronaVac; Doria e Butantan)

Cruzaram-se as menções para saber concomitantemente o que as pessoas falam sobre Doria e CoronaVac e para saber o que as pessoas falam sobre Doria e Butantan.

Nota-se que 71% das menções sobre Doria são relacionadas à vacina CoronaVac. Nota-se também que somente 11% das menções relacionam Doria ao Instituto Butantan. O gráfico revela que o nome do governador está associado à vacina chinesa, mas não está muito associado à instituição.

Análise de Influenciadores

Canais com maior número de seguidores

Os autores com mais seguidores são canais de TV, empresas e figuras públicas que falam sobre a relevância da vacinação no combate à Covid-19 e ajudam a construir a opinião pública sobre o assunto. Destacamos emissoras como History, Globo, CNN, TNT e MTV. Além de artistas e youtubers como Felipe Neto, Luciano Huck e Danilo Gentilli. (Na imagem, os números abaixo dos nomes das páginas do Facebook referem-se à identidade de cada um na plataforma.)

Canais com mais postagem

Dos canais que mais postaram pode-se destacar o Instituto Butantan, que fez um amplo trabalho de comunicação para dar credibilidade à vacina e anunciar seu plano de imunização. Pode-se destacar também o perfil @Bot_Corona_V, um robô que retweeta apenas notícias e assuntos relacionados à Covid-19, justificando o grande número de menções do perfil. Vê-se também canais de opositores e de defensores do governo, que produzem uma quantidade grande de postagens.

Grafo de conexões 

O grafo de conexões sintetiza na imagem todas as interações em torno da conversa sobre vacina nas redes. Como se vê, a conversa é pulverizada, sem grandes influenciadores únicos que dominam e guiam as interações. Nos destaques se veem os dois protagonistas políticos com mais influência nas redes sobre o assunto, sempre com pronunciamentos, diferentemente da instituição com mais interações, o Butantan, que utiliza mais o canal para conversar com seus seguidores.

Análise de Trends 

Twitter

O termo vacina apareceu 525 vezes nos Trending Topics do Twitter no período analisado, sendo 35 delas no Twitter Brasil e 8 no Mundo. Nos dias 7, 17 e 21 de janeiro, ele chegou a alcançar o primeiro lugar do Brasil, nos dois primeiros com a tag #VemVacina e no último com a #TodosPelasVacinas. No dia 21, o primeiro lugar do Twitter no Mundo também foi alcançado. 

A #VemVacina foi a que mais apareceu no período, totalizando 188 vezes, revelando a expectativa e o desejo pela chegada da vacina. Na sequência, apareceram #TodosPelasVacinas, com 76 vezes, e #VacinaParaTodosJá, 54 vezes. 

Google

No Google Trends, o termo vacina apareceu em 105 oportunidades dentro do período analisado, sendo 12 na primeira colocação, nos dias 17 e 18 janeiro, e 23 de março. Nos dois primeiros, foi apenas com o termo “vacina”, já no dia 23 ele esteve associado ao termo “covid”. 

IVC

Nos dados do Instituto Verificador de Comunicação (IVC), que cria um ranking dos termos mais lidos pelos usuários nos veículos de comunicação do Brasil, o termo Vacina apareceu 21 vezes entre os 20 primeiros colocados. A melhor posição do termo foi a terceira, em cinco oportunidades, nos dias 17, 21 e 23 de janeiro, 22 de fevereiro e 26 de março. 

Exemplos

Exemplos – Fake News

Exemplos – Notícias Confiáveis

Exemplos – Acontecimentos internacionais

Exemplos – Repercussão Brasil no Exterior

Exemplos – Vacina Chinesa

Acredita na Vacina e é contra Bolsonaro

Acredita na vacina e é a favor de Bolsonaro

Não acredita na vacina e é a favor de Bolsonaro

https://twitter.com/Pablogapaisa/status/1365685543070273547

Duvida da vacina e é a favor de Bolsonaro

https://twitter.com/marcelloneves72/status/1378348040948490247

Relato de Vacinação

Relato de problemas

Relato de morte

Piadas

Metodologia

Coleta de dados

A coleta de dados teve como objetivo captar o maior número possível de menções correspondentes ao universo vacina. Monitoramos também os principais portais de notícias e assuntos relacionados à vacinação, para um entendimento macro sobre o assunto. 

Termos cadastrados para coleta:

astrazeneca, cansino, coronavac, inglaterra vacina, reino unido vacina, vacina alemã, vacina alemanha, vacina arábia saudita, vacina biontech, vacina china, vacina chinesa, vacina corona, vacina coronavírus, vacina covid, vacina covid-19, vacina estados unidos, vacina eua, vainca forsun, vacina inglesa, vacina janssen, vacina johnson, vacina moderna, vacina niaid, vacina pfizer, vacina russa, vacina russia, vacina sinopharm, vacina sinovac, vacina sputnik, vacinas corona, vacinas coronavirus, vacinas covid, vacinas covid-19, bandnews, bbcnewsbrasil, catracalivre, cnnbrasil, elpaisbrasil, epoca, estadao, exame, fantastico, g1, globonews, jornalnacional, jornaloglobo, jovempannews, nexojornal, oantagonista, portalr7, revistaistoe, uol, uolnotícias, valoreconomico, veja.

Classificação das menções coletadas

Tipo 

Em tipos, separamos as menções em quatro grandes categorias, que nos revela o posicionamento político ideológico do internauta. São divididos em “acreditam na vacina”, “não acreditam na vacina”, “duvidam da vacina” e “piada”. Muitas das menções não apresentam posicionamento político e são somente brincadeiras ou comentários despretensiosos. Estes foram marcados como “piadas”. Os demais comentários com teor ideológico claro foram devidamente classificados. 

Assuntos

Separamos o monitoramento em quatro grandes temas: vacina, notícia, cotidiano e política. Notamos que há interseccionalidade entre assuntos, revelando a difícil tarefa de se desvencilhar da política num momento de pandemia. 

Política – Sobre política separamos menções de opositores e apoiadores de Bolsonaro, menções sobre Doria e menções sobre instituições, como Butanta, Fiocruz e Anvisa 

Notícias – Classificamos as notícias em duas categorias: notícias confiáveis e fake news. Notícias confiáveis são notícias oriundas de veículos de mídia confiáveis e/ou de perfis de influenciadores que possuem respaldo jornalístico, técnico ou científico sobre o tema. Para Fake News, classificamos todo tipo de informação caluniosa, tanta de veículos que tentam se passar por confiáveis, como correntes de informação falsa. Classificamos também como fake news, notícias tiradas de contexto ou que tendem a uma falsa interpretação.

Cotidiano – Em cotidiano, classificamos toda informação relacionada aos acontecimentos do dia-a-dia da vacina. Separamos em relatos de vacinação, relatos de problemas, relatos de morte e relatos de recuperação.

Vacina – Em vacina, captamos as menções que contém a seguintes palavras: astrazeneca, cansino, coronavac, biontech, janssen, johnson, moderna, niaid, pfizer, sinopharm, sinopharm, sputnik. As tags cadastradas tem por objetivo analisar o cenário macro sobre as vacinas, para assim, saber quais os assuntos correlacionados.

Para mais informações envie um e-mail para contato@torabit.com 😉

compartilhe:
Torabit

Publicado no dia 18 de maio de 2021