Zero Hora segura a ponta do engajamento nas redes sociais

Com 3,94% na taxa média diária de engajamento nas redes Facebook, Instagram e Twitter, o gaúcho Zero Hora segurou a liderança no mês de novembro.

O Estadão manteve o segundo lugar, com 2,80% na taxa média diária, enquanto o UOL também repetiu o terceiro lugar, com 2,39%. Tanto Zero Hora quanto o Estadão garantiram os dois primeiros lugares com a ajuda do Instagram, onde alcançaram taxa média diária na ordem de 8,01% e 5,19%, respectivamente, o que “puxou” a taxa média geral de ambos para cima.

A disputa entre Zero Hora e Estadão tem sido ferrenha desde o início do ano. Em dez meses, Estadão esteve à frente cinco vezes e Zero Hora idem. Houve empate em setembro. Falta um mês para ver se algum deles se sairá melhor neste ano no trabalho diário de engajamento de seus leitorados nas redes sociais.

Entre os onze veículos online pesquisados, o que mais cresceu no mês de novembro em relação a outubro foi O Globo, com um impulso de 66% a mais na taxa. Mas a sua taxa diária média de 1,23% o coloca na oitava posição do ranking. Garantiram boas taxas de crescimento no mês também os veículos Folha (37%), R7 (27%) e Veja (23%). Só quatro veículos caíram na comparação entre novembro e outubro: Zero Hora e Estadão (ambos perderam 1%) e Valor e Época com quedas de 7% e 2%, respectivamente. Em se tratando da quantidade de fãs e seguidores, a situação do líder segue inalterada com o R7 bem à frente de seus competidores, com 12,7 milhões de fãs no Facebook . Veja mantém o segundo lugar com 6.878.011 fãs registrados em novembro. No entanto, vem sendo ameaçada pelo UOL, que finalizou o mês com 6.855.161 fãs no Facebook. No Twitter, Veja segue a campeã de seguidores com 7,4 milhões. No Instagram, a liderança também é do R7, com 1,6 milhão de seguidores. Em relação à taxa de engajamento em cada rede, chama a atenção o desempenho do UOL no Facebook e no Twitter onde é o primeiro com 5,47% e 0,37% respectivamente. No Instagram, o Zero Hora segue na frente.

info-veiculos-novembro

Gostou? Curte e compartilha 😉

ZH mantém o topo, R7 cresce e Veja despenca

O veículo online do jornal gaúcho Zero Hora segurou a primeira posição no ranking da taxa média de engajamento nas redes sociais em julho. Seu resultado foi de uma taxa de 2,56%, computados os resultados de Facebook, Twitter e Instagram.

info-veiculos-julho (1)

O Estadão (2,35%) manteve o segundo lugar e o UOL o terceiro (com 1,99%). Chama a atenção, no entanto, o esforço do portal R7 em buscar engajamento. Sua taxa média pulou 90% de junho para julho, quase dobrou, vindo de 0,48% para 0,91%. A revista Veja online foi quem mais perdeu engajamento: 66%. Ao contrário do mês anterior, quando só o Zero Hora cresceu, o mês de julho viu crescimento no UOL (30%), na revista Época (37%), no portal Terra (57%), além do R7. O Estadão manteve-se firme com a mesma taxa do mês anterior. CaíramIstoÉ, O Globo, e Valor, além de Veja. Quanto à quantidade de fãs e seguidores, o ranking prossegue na mesma com o R7 na frente no Facebook, com quase 12,2 milhões de fãs. Idem no Twitter cujo líder continua a Veja, com quase 7,2 milhões de seguidores. No Instagram o campeão também é o R7, com quase 1,5 milhão de seguidores.

O infográfico deste mês mostra também que o campeão de engajamento no Facebook é o UOL (4,75%), no Twitter, o UOL também lidera com 0,34%, em seguida estão empatados Zero Hora e O Globo, ambos com 0,30%, e no Instagram o líder é o Estadão, com 4,63%. Importante ressaltar que a rede que tem ajudado mais Zero Hora e Estadão a ocuparem o primeiro e o segundo lugar é o Instagram, onde o trabalho de ambos consegue taxas acima de 4% de engajamento dos leitores.

Gostou? Curte e compartilha 😉

Jogos Olímpicos Rio 2016 nas redes sociais – dia 2

Dia 2 – 4/3/16 – 55.143 posts analisados nas redes sociais

Nuvem de tags do segundo dia – quanto maior a palavra mais vezes ela foi postada no universo de buscas.TorabitNuvem (34)

O pico de menções nas redes se deu na partida de

futebol masculino Brasil X África do Sul

gr_hr_ (1)

30% das menções vieram do Rio seguidas por 21,% de SP.

grt_uf_ (1)

Divisão por modalidade.

grt_as_ (1)

TOP 10 de perfis que tiveram o maior alcance em suas postagens (influenciadores)

e os que mais postaram no Twitter e no Instagram sobre as Olimpíadas.

Screen Shot 2016-08-05 at 15.42.41

  Screen Shot 2016-08-05 at 15.42.58

 autoresinstagramolimpiadas2

  autoresinstagramolimpiadas2

Gostou? Curte e compartilha 😉

Internet ajudou a derrubar o mito da tolerância brasileira

Publicado em 3 de agosto de 2016 na Folha de S.Paulo 

A internet vem ajudando a derrubar o mito de que nós brasileiros somos tolerantes às diferenças. Histórias que desnudam a intolerância entre nós surgem a cada dia. Para cada caso com pessoas conhecidas noticiado na mídia, há outros milhares nas redes sociais.

Cabelo ruim, gordo, vagabundo, retardado mental, boiola, malcomida, golpista, velho, nega. Expressões como essas predominam nas nuvens de palavras encontradas em posts que revelam todo tipo de intransigência ao outro, em vários aspectos: aparência, classe social, deficiência, homofobia, misoginia, política, idade, raça, religião e xenofobia.

Segundo dados da ONG Safernet, denúncias contra páginas que divulgaram conteúdos do tipo cresceram mais de 200% no país. Num primeiro momento, parece que a internet criou uma onda de intolerância.

O fato, porém, é que as redes sociais apenas amplificaram discursos existentes no nosso dia a dia. No fundo, as pessoas são as mesmas, nas ruas e nas redes.

Vejamos: o Brasil lidera as estatísticas de mortes na comunidade LGBT (dado da Associação Internacional de Gays e Lésbicas); mata muito mais negros do que brancos (Mapa da Violência); aparece em quinto lugar em homicídios de mulheres (Mapa da Violência); registrou aumento de 633% nos casos de xenofobia (Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos); e 6,2% dos seus empregadores confessam não contratar pessoas obesas (site de recrutamento).

A intolerância nas redes é resultado direto de desigualdades e preconceitos sociais em geral, não é uma invenção da internet. O ambiente em rede facilita que cada um solte seus demônios, ao dar a sensação de um pretenso anonimato. O mundo virtual é, portanto, mais uma forma de os intolerantes se manifestarem e ampliarem seu alcance.

Para se ter ideia, nossa agência, por meio da iniciativa Comunica que Muda, resolveu medir a intolerância na internet durante três meses, utilizando a plataforma Torabit.

haterfb

De abril a junho, foram analisadas nada menos que 393.284 menções aos tipos de intolerância citados no início do texto. O percentual de abordagens negativas dos temas ficou acima de 84%. No caso do racismo, chegou a 97,6%.

O maior número de menções (220 mil) foi para a política, seguido da misoginia (50 mil), mas há que se ressaltar que o tema reflete a crise atual. Entre os Estados, o Rio de Janeiro registrou o maior número de citações (58.284), apesar de, proporcionalmente à população, o Distrito Federal ser o mais intolerante.

Bem melhor seria se, na verdade, passássemos a adotar a aceitação como o contrário de intolerância. Porque a própria palavra tolerância lembra indulgência e condescendência, e não é isso que se quer.

Suportar o outro é só o começo de uma evolução. Tolerar é manter uma relação positiva com pessoas completamente diferentes. É um processo de mão dupla, aceitar para ser aceito.

Não é um caminho fácil. O primeiro passo, sem dúvida, é tornar o debate de interesse público, fazer explícitas as ofensas cotidianas.

Já passou o tempo em que a internet era terra de ninguém. Não faltam canais para denúncias. O acesso a um meio amplo de comunicação, aliado a uma ideia distorcida de liberdade, fez com que os intolerantes encontrassem eco.

No entanto, como bem resume a frase, “liberdade de expressão não é licença para ser estúpido”.

BOB VIEIRA DA COSTA é sócio-fundador da agência de propaganda Nova/SB. Foi coordenador de comunicação do Ministério da Saúde e ministro-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (governo FHC)

Gostou? Curte e compartilha 😉

Único a crescer, Zero Hora volta ao topo em junho.

 

O jornal gaúcho Zero Hora voltou a liderar a taxa média de engajamento nas redes sociais em junho, computados os resultados do Facebook, Twitter e Instagram. Ele desbancou o Estadão que desde novembro do ano passado (quando começaram as medições) vinha se mantendo à frente, exceto em fevereiro – e agora em junho.

O Zero Hora também foi o único entre os onze veículos online analisados que cresceu no mês. Atingiu 2,53% na média do engajamento. A rigor, manteve-se equilibrado no Facebook e no Twitter, mas cresceu no Instagram, que puxou seu índice médio e o fez ultrapassar o do Estadão.

Todos os outros perderam rendimento. Enquanto o Zero Hora cresceu 10% no total, o Estadão caiu 14%. A campeã na queda foi a Veja, que perdeu 35% na sua taxa média de engajamento.

No número de fãs e seguidores, o ranking segue com o R7 disparado na frente no Facebook , com quase 12,1 milhões de fãs. No Twitter o líder é a Veja, com 7,1 milhões de seguidores.

O infográfico deste mês traz todo o detalhamento do desempenho de cada veículo bem como seu tamanho nas redes.

Mostra também que no Facebook e no Twitter o campeão de engajamento é o UOL, com taxas de 3,28% e 0,49%, respectivamente. A rede que tem desbalanceado e puxado tanto Zero Hora quanto o Estadão para o topo da média é o Instagram. Nela, o UOL alcançou apenas 0,82%, na taxa de engajamento de junho enquanto o Estadão atingiu 4,40% e o Zero Hora 4,45%.

A média de engajamento se refere às redes Facebook, Twitter e Instagram.

Curiosidades que não aparecem no infográfico revelam alguns dados importantes sobre a relação dos internautas com os veículos. O UOL, por exemplo, foi o veículo que publicou mais posts no Facebook no mês: 3.327. Foi também o que obteve a maior quantidade de curtidas: pouco mais de 5 milhões. Já o R7 foi o veículo que teve mais comentários nos seus posts: 360.764.

 

info-veiculos-junho2

Gostou? Curte e compartilha 😉

R7 ultrapassa 12 milhões de seguidores no Facebook

Publicado em 6/6/2016 na edição 906 do Observatório da Imprensa.

A maior novidade do monitoramento dos onze principais veículos online do país veio do portal R7, da Record, ao atingir a marca de 12.028.891 milhões de fãs no Facebook no mês de maio de 2016. O segundo lugar, ocupado pela Veja, que tem 6,5 milhões de seguidores, vem bem atrás.

No quesito engajamento, que mede o quanto os leitores se relacionam com  os conteúdos de cada veículo, a novidade é a chegada do UOL ao terceiro lugar com taxa média de 1,66%. O líder continua sendo o Estadão, com uma taxa média de 2,75%, seguido de perto pelo Zero Hora com 2,29%

Sobre o Estadão, é importante frisar que sua liderança vem sendo sistematicamente puxada pelo seu excelente desempenho no Instagram, onde consegue taxas de engajamento bastante significativas, sempre acima de 4%. Em maio, o Estadão também liderou no Facebook com 3,74%.

Dos onze veículos online monitorados pelo Torabit, sete deles tiveram queda nas taxas de engajamento no mês de maio em relação ao mês anterior. As duas maiores quedas ficaram por conta das revistas IstoÉ e Época, a primeira perdeu 34% de engajamento e a segunda 27%.

Três cresceram no mês. O Valor ganhou 24% no engajamento, a Folha 12%, e O Globo e o R7 ganharam 10% cada um.

No Twitter, o campeão é o UOL, com 0,63% de engajamento.

Ranking Veiculos Maio

A média de engajamento se refere às redes Facebook, Twitter e Instagram.

Este ranking é produzido mensalmente pelo Torabit, um sistema de monitoramento, análise e mobilização nas redes sociais. A taxa de engajamento mede o quanto os leitores de cada veículo gostam, comentam ou compartilham os seus conteúdos.

Por enquanto, o Torabit divulga as taxas das três principais redes: Facebook, Twitter e Instagram. Para calcular a taxa de engajamento, o Torabit utiliza uma fórmula bastante simples. A equação é composta pela soma de ações que os internautas fazem em cada rede (curtem, comentam ou compartilham) multiplicada por cem e dividida pelo número de seguidores do veículo ao final de cada mês.

O resultado, em percentual, é o índice de engajamento em cada rede.  Para compor o índice final, o Torabit calcula a taxa média, nada menos do que a soma das taxas obtidas por cada veículo dividida pela quantidade de redes – três, neste caso.  O resultado, em percentual, permite comparar qual leitorado é mais ou menos engajado em relação aos conteúdos ofertados nas páginas oficiais de cada veículo em cada uma das plataformas sociais analisadas.

Gostou? Curte e compartilha 😉

Estadão volta a liderar e revistas entram no ranking de engajamento

Publicado em 13/04/2016 na edição 898 do Observatório da Imprensa.

O jornal O Estado de S. Paulo voltou ao topo no índice de engajamento dos principais veículos nacionais nas redes sociais. Engajamento abril

Com 3,68% na média de engajamento entre as redes Facebook, Twitter e Instagram, o Estadão ultrapassou o Zero Hora (na liderança em fevereiro e em segundo lugar em março) e retomou seu histórico de líder desde o início da medição, em novembro do ano passado.

O que “puxou” o índice do Estadão para o primeiro lugar foi seu desempenho no Instagram, forte do jornal desde o ano passado. Ele conquistou 5,04% de engajamento neste meio, à frente de todos os outros concorrentes.

No Facebook, no entanto, o campeão foi a revista IstoÉ, com 7,37% de engajamento, quase dois pontos percentuais à frente do Estadão, em segundo lugar com 5,52%.

Outra novidade em março foi a inclusão das três principais revistas semanais online no índice. Veja, Época e IstoÉ entraram com bastante força no índice. IstoÉ (muito por conta da reportagem sobre a delação de Delcídio do Amaral) já estreou em terceiro lugar com 2,73% de taxa de engajamento; Época em quarto com 2,17% e Veja em sexto com 1,59%.

Do ponto de vista da quantidade de seguidores, o campeão continua sendo o R7, com 11,7 milhões de fãs no Facebook. Veja vem segundo, com 6,4 milhões de fãs, mas está em primeiro lugar no Twitter, com quase 7 milhões de seguidores.

Este ranking é produzido pelo Torabit, sistema de monitoramento, análise e mobilização nas redes sociais.

A taxa de engajamento mede o quanto os leitores de cada veículo gostam, comentam ou compartilham os seus conteúdos.

Por enquanto, o Torabit divulga as taxas das três principais redes: Facebook, Twitter e Instagram.

Para calcular a taxa de engajamento, o Torabit utiliza uma fórmula bastante simples. A equação é composta pela soma de ações que os internautas fazem em cada rede (curtem, comentam ou compartilham) multiplicada por cem e dividida pelo número de seguidores do veículo ao final de cada mês. O resultado, em percentual, é o índice de engajamento em cada rede.

Para compor o índice final, o Torabit calcula a taxa média, nada menos do que a soma das taxas obtidas por cada veículo dividida pela quantidade de redes – três, neste caso.

O resultado, em percentual, permite comparar qual leitorado é mais ou menos engajado em relação aos concorrentes de qualquer um dos veículos.

info-veiculos-3

Gostou? Curte e compartilha 😉

A gente encontra o que você precisa.

Contrate já!